CPT DE JUAZEIRO REALIZA PRIMEIRA REUNIÃO AMPLIADA DE 2016 EM REMANSO



Agentes da Comissão Pastoral da Terra (CPT) de Juazeiro e representantes de entidades e paróquias de Casa Nova, Campo Alegre de Lourdes, Pilão Arcado e Uauá se reuniram,  sábado (13), para participarem da primeira reunião ampliada da pastoral deste ano. O encontro aconteceu na centro paroquial, em Remanso, e teve como objetivo elaborar o planejamento das ações que serão desenvolvidas ao longo de 2016.

 

Primeiro, os participantes fizeram uma avaliação da conjuntura regional. As chuvas, que aconteceram no mês de janeiro na região, foram lembradas por todos como algo bastante positivo para os sertanejos e que rompeu com o cenário da seca visto no final de 2015. "A falta d'água é coisa do passado", disse Maria das Mercês Araújo, que faz parte da paróquia de Campo Alegre de Lourdes. 

Apesar das boas notícias para os camponeses e camponesas, problemas antigos ainda fazem parte do cotidiano dos trabalhadores e trabalhadoras do campo. O desmatamento, a luta pela regularização das terras e a ameaça de grandes projetos estranhos  as comunidades  foram destacados. "As grilagens só aumentam e com as promessas de projetos, como as mineradoras, elas crescem a cada dia", afirmou Maria Gorete da Silva, de Casa Nova. 

O saneamento básico, que é tema da Campanha da Fraternidade, também foi lembrado na reunião como um dos grandes problemas que atingem tanto as populações da cidade quanto do campo. "Saneamento não é só esgoto, tem a ver com a água que recebemos, com a coleta de lixo, é necessário que a população se envolva e reflita sobre isso", disse Marina Rocha, coordenadora da CPT de Juazeiro. 

Na reunião, os integrantes da CPT Juazeiro também discutiram temas de trabalhos que foram propostos na Assembleia Diocesana. O trabalho de base que é feito com as comunidades, a divulgação nos meios de comunicação e a formação de jovens são ações que continuarão sendo realizadas até fim do ano. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Nós vamos ficar com a morte e a doença”: Em Sento Sé (BA), comunidades ribeirinhas temem empreendimento de mineração

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias