Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2017

Seminário regional debateu sobre impactos dos parques de energia eólica no Nordeste

Imagem
Fortes relatos de quem sente na pele todas as consequências da instalação dos parques eólicos nos seus territórios de origem e a certeza de não ser viável esse modelo de geração de energia, marcaram o Seminário sobre os impactos ambientais e sociais dos parques eólicos no Nordeste brasileiro. O evento reuniu de 22 a 24 de setembro deste ano, em Juazeiro – BA, cerca de 50 pessoas impactadas pela instalação destes parques, assessores, pesquisadores, estudantes, lideranças comunitárias e representantes de entidades de apoios a organizações e movimentos sociais dos estados da Bahia, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Ceará. O evento teve o objetivo de garantir uma troca de experiências e de articular as comunidades que estão sendo ameaçadas por estes empreendimentos. A intenção é que estas se fortaleçam e agreguem mais força na resistência em torno do avanço de projetos de desenvolvimento nas comunidades rurais, ribeirinhas e litorâneas. Reunidos por estado, os/as participantes social…

Camponeses/as discutem a soberania popular na mineração

Imagem
“Útil pra gente é o solo e as mineradoras deixam esse solo degradado, aí não vamos mais ter condições de criar o bode, o cabrito”. A fala é de Josefa Alves, presidente da Associação de Fundo de Pasto do Salgado, em Curaçá-BA, e expressa a preocupação de comunidades tradicionais do semiárido baiano em relação à mineração. Territórios camponeses, a exemplo de fundos e fechos de pasto e quilombolas, estão cada vez mais ameaçados pela exploração mineral, indústria que cresce vertiginosamente no Brasil.
Problemas de saúde, desmatamento, rachaduras em casas, invasão cultural, militarização e esgotamento de bens naturais, como nascentes de rios, são alguns dos impactos socioambientais sofridos por quem vive próximo a mineradoras e que foram relatados durante o “Seminário de Impactados/as e Ameaçados/as pela Mineração”. O evento, organização pela Comissão Pastoral da Terra (CPT) Centro-Norte, aconteceu nos dias 19 e 20 de setembro, em Senhor do Bonfim, e reuniu agricultores/as familiares, inte…

Mensagem da 38ª Missão da Terra da Diocese de Bonfim (BA)

Imagem
Nós, cerca de 7 mil romeiros e romeiras da Missão da Terra, do campo e das cidades, da Diocese de Bonfim, Bahia, estivemos reunidos/as no distrito de Igara, município de Senhor do Bonfim, para celebrar a 38ª Missão da Terra, um ato de fé e mobilização popular que acontece todos os anos, com o objetivo de animar a caminhada do povo de Deus, denunciar as injustiças sociais e ambientais  e anunciar o “Bem Viver” no Sertão. Este ano com o tema “Vida e Morte na Caatinga: enquanto o Ser Humano destrói, Deus Ressuscita”, e o lema “Cultivar e Guardar a Criação é nossa responsabilidade!” (Gn 2,15), a Missão da Terra, convoca a sociedade em geral para promover uma ação coletiva em defesa da caatinga, do seu povo, de suas águas e de toda a sua biodiversidade. Sabendo que 80% da área do bioma Caatinga está no Nordeste, com aproximadamente 844 mil quilômetros quadrados e que apenas 1% do bioma está protegido por leis que tem sido flexibilizadas a fim de favorecer interesses privados, denunciamos a d…

Agroecologia ainda é ignorada pela "monocultura" da mídia

Imagem
Mídia dedica 95% de seu espaço ao agronegócio e 5% a técnicas sustentáveis, dadas como "alternativas" ou "exóticas"
Produção familiar orgânica é desprezada pela mídia hegemônica ou abordada como algo alternativo ou exótico / Arquivo/MDAAlternativa mais viável para produzir alimentos livres de agrotóxicos e transgênicos para todos dentro de uma perspectiva de proteção ao meio ambiente e criação de emprego e renda para pequenos agricultores, a ciência agroecológica é ignorada pelos meios de comunicação. O agronegócio, baseado na monocultura em grandes extensões de terra, com uso intensivo de insumos químicos e biotecnológicos, tem 95% do espaço nos meios de comunicação. Já a agroecologia fica com apenas 5%. Os dados são da pesquisa A Agroecologia e a Mídia, realizada na pós-graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Depois de ter constatado que o tema é abordado principalmente em sites de organizações dedicadas ao estudo da agroecol…

Hidronegócio: privatização da Eletrobrás, privatização das águas

Por Roberto Malvezzi (Gogó) Há tempos o hidronegócio busca mecanismos de privatização das águas brasileiras. Constitucionalmente tidas como um bem da União, nossas águas não podem ser privatizadas. A Constituição Federal no artigo 20, inciso III, estabelece que são bens da União os lagos, rios e quaisquer correntes de água em terrenos de seu domínio, ou que banhem mais de um Estado, sirvam de limites com outros países, ou se estendam a território estrangeiro ou dele provenham, bem como os terrenos marginais e as praias fluviais. Reza a Lei Brasileira de Recursos Hídricos 9.433/97: Art. 1º A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos: I – a água é um bem de domínio público; II – a água é um recurso natural limitado, dotado de valor econômico; III – em situações de escassez, o uso prioritário dos recursos hídricos é o consumo humano e a dessedentação de animais; IV – a gestão dos recursos hídricos deve sempre proporcionar o uso múltiplo das águas; V – a bacia hidr…

Transposição do Tocantins para o São Francisco

Entrevista de Roberto Malvezzi (Gogó) para o site Preto no Branco O que está por detrás da transposição do Tocantins para o São Francisco? Em primeiro, é preciso dizer que essa proposta é mais insana, mais louca que a transposição do São Francisco para outros estados da forma como ela foi feita. Na verdade, os movimentos socioambientais sempre disseram que o São Francisco tinha pouca água para suportar uma transposição. Era um anêmico que não podia doar sangue. Agora, essa proposta de transpor o Tocantins para o São Francisco só comprova o que sempre dissemos. Está faltando água no São Francisco não só para as comunidades beiradeiras, mas a falta de água inviabilizou a hidrovia do São Francisco, diminuiu a geração de energia e está faltando água até para os perímetros irrigados já instalados. Então, começou a bater o desespero também no setor econômico, naqueles que mais ganham com as águas do Velho Chico. Daí a proposta doida de transpor o Tocantins para aumentar o volume de água do São…