Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2016

CPT CENTRO NORTE REALIZA MUTIRÃO COM COMUNIDADES EM CONFLITO

Imagem
Entre os dias 25 a 27 de julho, agentes da Comissão Pastoral da Terra das Dioceses de Juazeiro, Senhor do Bonfim e Ruy Barbosa visitaram e se reuniram, no município de Casa Nova, com moradores de 37 comunidades que vivem em constante ameaças de perder seus territórios por causa de grilagens.  As terras dos camponeses são invadidas a qualquer custo, utilizando-se dos mais variados métodos de violência como: pressão psicológica, enganações, invasões, pistolagem, ações judiciais e, inclusive, a força policial para apoderar-se da terra das famílias que há centenas de anos vivem em suas comunidades. A equipe se impressionou com o espírito de resistência e de luta das comunidades, conheceu as experiências de convivência com o semiárido, a solidariedade que existe entre as famílias e comunidades na defesa dos seus territórios. Uma espiritualidade que motiva e movimenta estas comunidades, a partilha do saber, do poder e da comida em abundância. Os/as agentes da CPT perceberam também, no meio de…

FAMÍLIAS CAMPONESAS FAZEM MANIFESTAÇÃO CONTRA JUIZ EM CASA NOVA

Imagem
Cerca de 300 trabalhadores e trabalhadoras rurais saíram às ruas de Casa Nova para se manifestarem contra a decisão do juiz Eduardo Padilha, que deu a posse da Areia Grande, área de fundo de pasto onde vivem 400 famílias há gerações, para os empresários Carlos Nisan e Alberto Martins Pires, que nem moram em Casa Nova. O ato ocorreu na quarta-feira 20.
Durante a passeata, diversos populares do município se mostraram solidários ao povo da Areia Grande, inclusive por lembrarem do assassinato do agricultor José Campos Braga – Zé de Antero. O crime aconteceu em 2009, pouco tempo depois de uma invasão de jagunços de uma reintegração de posse que o juiz Padilha expediu em favor dos mesmos empresários.
Sobre a nova decisão do magistrado, o agricultor Zacarias Rocha, morador do território de Areia Grande, disse não esperar outra postura da autoridade. “Vindo do Eduardo Padilha, as comunidades já esperavam que ele fosse julgar favorável a esses empresários. Mas as comunidades ficam com medo, pel…

JUSTIÇA DE CASA NOVA NEGA RECONHECIMENTO DE TERRA DEVOLUTA E DETERMINA O DESPEJO DE FAMÍLIAS

Esta luta não para enquanto a justiça não prevalecer”
(Zé de Antero, trabalhador assassinado em 31/01/2009)
No ultimo de 11 de julho de 2016, as comunidades tradicionais de fundo de pasto da região de Areia Grande, situadas em Casa Nova, BA, acordaram perplexas com a publicação da sentença proferida pelo juiz de direito da Vara Cível da Comarca, Eduardo Padilha, no bojo da Ação Discriminatória 000155-03.2008.805.0052, que, desde 2008, discute conflito envolvendo grilagem de 26 mil hectares de terras no município.
Tal decisão, desconsiderando as provas produzidas no processo e o parecer do Ministério Público, negou o pedido do Estado da Bahia de reconhecimento da terra como devoluta e determinou a expedição de mandado de imissão de posse em favor dos empresários Alberto Martins Pires Matos e Carlos Nisan Lima Silva. Histórico do Conflito A área em litigio integra o território tradicional das Comunidades Melância, Riacho Grande, Salina da Brinca, Jurema, Tanquinho, Ladeira Grande, Lagoado, L…

CARTA DA 39º ROMARIA DA TERRA E DAS ÁGUAS

Imagem
Da 39ª Romaria da Terra e das Águas ao Bom Jesus da Lapa, realizada nos dias 01, 02 e 03 de julho de 2016, dirigimo-nos às comunidades, organizações e movimentos, às nossas Igrejas e a toda a sociedade. Cerca de 4.000 pessoas, vindas de todos os cantos da Bahia, Minas Gerais, Goiás, Pernambuco, Rio de Janeiro e Distrito Federal, estivemos na igreja da Lapa, “feita de pedra e luz”, para rezar, trocar experiências, saberes e propostas e comprometer-nos com “Cuidar da Casa Comum”, uma “Conversão Ecológica” necessária e urgente. Convencemo-nos de que esta é a tarefa de nossas vidas,  inadiável,  em vista do devastação socioambiental crescente. Um ruidoso clamor sobe da Terra e da Água e de todas as formas de vida ameaçadas e atinge e apela a todos, em especial a nós seguidoras e seguidores do Bom Jesus, com ele construtoras e construtores do Reino de Misericórdia, Justiça e Paz.