Postagens

Mostrando postagens de 2012

14 mil ha a 4 empresas do agronegócio; 6 mil agricultores expulsos

Imagem
A Rede nacional de Advogados e Advogadas Populares/RN-CE, a Comissão Pastoral da Terra, o CRDH-RN, Via campesina, GEDIC, e diversas outras entidades ligadas a defesa dos direitos humanos protocolaram “dossiê-denuncia” junto à Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da Republica, Secretaria-Geral da Presidência da República, IPHAN, TCU, e mais dez órgãos do Governo Federal, apontando dezenas de violações aos direitos humanos, meio ambiente, patrimônio histórico e aos cofres públicos na instalação do Perímetro Irrigado da Chapada do Apodi/RN.

Relator da ONU defende a democratização da comunicação brasileira

Imagem
O relator especial para Promoção e Proteção do Direito à Liberdade de Opinião e Expressão da Organização das Nações Unidas (ONU), Frank La Rue, defendeu que o governo brasileiro regule a distribuição das concessões de rádio e TV, com o objetivo de evitar que conglomerados dominem os meios de comunicação. Nesta quinta-feira (13), La Rue participou de dois encontros sobre liberdade de expressão e concentração de mídia no Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo (SEESP) e na Câmara Municipal de São Paulo.

"Eu morrerei de pé como as árvores"

Imagem
Leia poesia de dom Pedro Casaldáliga que antecipa sua perseguição, publicada na página espanhola Religión Digital , no dia 09 de dezembro.
Eu morrerei de pé como as árvores.
Me matarão de pé.
O sol, como testemunha maior, porá seu lacre
sobre meu corpo duplamente ungido.

E os rios e o mar
serão caminho
de todos meus desejos,
enquanto a selva amada sacudirá, de júbilo, suas cúpulas.

Eu direi a minhas palavras:
- Não mentia ao gritar-vos.
Deus dirá a meus amigos:
- Certifico
que viveu com vocês esperando este dia.

De golpe, com a morte,
minha vida se fará verdade.
Por fim terei amado!
Dom Pedro Casaldáliga

Fonte: Brasil de Fato 

Dom Pedro Casaldáliga é evacuado de sua casa em São Félix (MT) devido a ameaças de morte

Imagem
O bispo Pedro Casaldáliga, 84, foi forçado a deixar sua casa em São Félix do Araguaia (MT) e ir a mais de mil quilômetros de distância por indicação da Polícia Federal. A causa foi a intensificação nos últimos dias das ameaças de morte que ele recebeu devido ao seu trabalho durante mais de 40 anos em defesa dos direitos dos índios Xavante.
A produtora Minoria Absoluta, que trabalha em uma minissérie sobre o religioso, foi uma das denunciantes. O fato do governo federal decidir tomar as terras dos fazendeiros para devolver aos índios, legítimos proprietários, agravou o conflito.

À Sombra de um Delírio Verde

Imagem
Vídeo mostra a destruição dos índios Guarani  Kaiowá, no Mato Grosso do Sul, pelo projeto capitalista de produção de cana-de-açúcar, cuja a finalidade é a produção de agrocombustíveis, apoiado pelo governo brasileiro. 





Projeto do Estado pode acabar com comunidades quilombolas e de fundo de pasto na Bahia

Imagem
Um último golpe contra os povos da terra poderá ser desferido pelo governo Jaques Wagner amanhã, 11 de dezembro. Nesta data está prevista a  votação, na Assembleia Legislativa da Bahia, do projeto de Lei  19.965/2012.  Pelo texto, a partir de 2014 as comunidades tradicionais de fundo e fecho de pasto, assim como as quilombolas, não poderão mais receber terras devolutas do Estado para continuar existindo.
Pelo projeto de Wagner, as comunidades que  já são reconhecidas como remanescentes de quilombos e aquelas que usam a terra de forma coletiva para produção agropecuária, como as de fundo de pasto, terão o direto de viver onde sempre viveram sem, teoricamente,  nenhum problema legal, até os próximos 90 anos.

URGENTE

O projeto de Lei do governo estadual  que pode prejudicar a autonomia das comunidades tradicionais, inclusive as  de fundo de pasto, será votado na próxima terça-feira, 11 de dezembro, na  Assembleia Legislativa da Bahia. 
Diante disso, faz-se necessária uma mobilização das organizações populares do meio rural e comunidades de fundo  de pasto da região para estarem em Salvador no dia 11, como forma de  pressionar os deputados  a não aprovarem tal projeto. 
Por favor, compartilhem!

PARQUES EÓLICOS JOGAM SUJO COM OS/AS CAMPONESES/AS

Imagem
Propagada como a solução para se ter uma energia limpa, a instalação de parques eólicos que o Estado tem financiado na Bahia se mistura  a praticas muito sujas, como a grilhagem de terras. Neste vídeo, moradores de Sobradinho (BA) relatam como o aclamado  novo projeto de produção de energia no município e região tem ameaçado sua  permanência no campo.

REFORMA AGRÁRIA PODE TER PIOR ANO DESDE 1995

Os índices de reforma agrária de 2012 podem ser inferiores aos do último ano, que, por sua vez, já foram os piores dos últimos 16 anos. Em 2011, foram assentadas 21.933 famílias. Até o momento, o governo Dilma Rousseff assentou este ano 10.815 famílias, de acordo com as últimas informações do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra). A taxa corresponde a somente 36% da meta de 30 mil famílias prevista para 2012. 
Nos dois mandatos do governo Fernando Henrique Cardoso, a quem o PT acusava de menosprezar a reforma agrária, o número mais baixo foi de 42.912 assentamentos, em 1995. Na última semana, o deputado Valmir Assunção (PT-BA) ocupou a tribuna da Câmara para criticar o ritmo lento da reforma agrária. “Alertamos ao governo e à sociedade brasileira da paralisação da reforma agrária no Brasil, com a diminuição, cada vez mais visível, da obtenção de terras para novos assentamentos”, declarou o coordenador do Núcleo Agrário do PT na Casa. O petista ainda propôs a for…

Por que a Codevasf anda injuriada com o MST?

Imagem
Com música de Chico Buarque, vídeo mostra como ficou acampamento do MST depois da visita da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba.
CARTA ABERTA
A CAPRINOVINOCULTURA TRADICIONAL DO SEMIÁRIDO BRASILEIRO ESTÁ AMEAÇADA  
As Cabras e Ovelhas são animais muito bem adaptados ao clima do sertão,  são geradores de alimento e renda para milhões de famílias. Esta  importante atividade econômica está seriamente ameaçada em todo o Semiárido. Grandes grupos empresariais estão se organizando para dominar a cadeia produtiva da caprinovinocultura, reservando aos criadores/as tradicionais o papel de meros empregados desta atividade. Este documento tem o objetivo de chamar a atenção da sociedade para essa grave ameaça.

BREVE HISTÓRICO DA CAPRINOVINOCULTURA TRADICIONAL NO SEMIÁRIDO

As cabras e ovelhas adentraram as Caatingas brasileiras como animais de segunda ordem, sua carne e leite serviram como reserva de alimentos para  as famílias dos vaqueiros e escravos dos colonizadores portugueses, e ainda forneciam peles para diversos usos. Nesse período o rio São Francisco serviu de trilha para a colonização e inúmeros currais e fazendas de …

REUNIÃO EM UAUÁ DISCUTE DEGRADAÇÃO DO MEIO AMBIENTE

Imagem
Reunião da CPT e Paróquia local  com comunidades rurais e representantes do perímetro urbano de Uauá  debateu questões ambientais no município. As pesquisas em minério e o tratamento do lixo foram alvo de críticas.Para continuar as discussões, em janeiro está previsto outro encontro.



AS FALSAS PROMESSAS DA CODEVASF

Imagem
Sem terra desmentem a Codevasf neste vídeo produzido pela Comissão Pastoral da Terra da  Diocese de Juazeiro (BA).. Segundo @s trabalhador@s  a Companhia não cumpriu acordo com o Movimento quando encaminhou mais de 600 famílias para área de sequeiro em Sobradinho, há 4 anos. Hoje, o Assentamento Vale da Conquista está sem condições de produzir. Mesmo assim,  a Codevasf afirma que 80 hectares foram estruturados para irrigação. Tal espaço está totalmente seco, e só viu até hoje água de chuva.



NO TAPAJÓS, COMPLEXO DE HIDRELÉTRICAS AMEAÇA INDÍGENAS E RIBEIRINHOS

Imagem
Depois de Belo Monte, Governo Federal concentra esforços para licenciar cinco usinas na Amazônia, plano que deve afetar área rica em biodiversidade

Por Daniel Santini
Itaituba (PA) - Após a Hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, o próximo megaprojeto de engenharia do Governo Federal na Amazônia é o ComplexoTapajós, um conjunto de cinco usinas hidrelétricas que, se concretizado, deve alterar completamente a bacia do Rio Tapajós, afetando pelo menos 1.979 quilômetros quadrados (197.200 hectares), uma área maior do que a da cidade de São Paulo. Alguns dos trechos que devem ser alagados não só concentram populações ribeirinhas e indígenas como também são ricos em biodiversidade e belezas naturais. O impacto estimado é o que vem sendo divulgado pelas Centrais Elétricas Brasileiras (Eletrobrás), empresa de capital aberto controlada pelo Governo que está à frente do projeto. Mas pode ser maior, considerando o delicado equilíbrio de cheias nos regimes de seca e chuva que predominam na região nort…

AMÉRICA LATINA: O CAMPO EM DISPUTA

12/11/2012,  Por Roberta Traspadini.

Enquanto nas cidades as pessoas em situação de pobreza representam 26% do total, no campo esse valor chega a 52,6% de pessoas, segundo a CEPAL. A questão agrária na América Latina é uma das tônicas principais da luta de classes no continente desde a descoberta. Se até as guerras da independência, a conquista e a colônia significaram um processo aberto de aniquilar a propriedade e o poder comunal inerente à relação dos povos originários com a terra, das guerras de independência em diante o panorama não mudou muito. A disputa continua. A sede por recursos e sujeição dos povos, entendidos ambos como recursos potenciais para o grande capital monopólico internacional, dão a tônica histórica do poder atual. Nossa América Latina é composta, em toda sua especificidade índia, negra, mestiça, por quase 590 milhões de pessoas, das quais 513 milhões vivem em áreas urbanas e 77 milhões em áreas rurais.   Após a política neoliberal instituída desde fim dos anos 80, em…

REPORTAGEM SOBRE O ACAMPAMENTO ABRIL VERMELHO E SUA LUTA CONTRA A CODEVASF

Imagem
Reportagem de Uilson Viana, estudante do curso de Comunicação Social da Universidade do Estado da Bahia, voluntário da CPT Juazeiro, mostra porque sem terra insistem em ocupar áreas públicas que estão sobre a administração da Codevasf.


Imagem
A NATURALIZAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL



Por Fernanda Sucupira, da Repórter Brasil
Ainda que a luta pela erradicação do trabalho infantil e a consciência sobre esse problema social venham crescendo nas últimas décadas, quem atua na área costuma se deparar com argumentos de pessoas de diferentes setores da sociedade a favor das atividades laborais de crianças e adolescentes.Uma das principais justificativas é o de que é melhor que meninos e meninas estejam trabalhando do que na rua, sem fazer nada, vulneráveis ao uso de drogas e à criminalidade.
Segundo Isa Maria de Oliveira, secretária-executiva do Fórum Nacional para a Prevenção e Eliminação do Trabalho Infantil (FNPeti), essa ideia é uma falácia. “Várias formas de trabalho infantil favorecem que crianças e adolescentes sejam empurrados para o crime organizado, para o tráfico de drogas, para o tráfico de pessoas, para a exploração sexual. Muitas vezes nesse contexto são submetidos a xingamentos, espancamentos, violência, abuso sexual”, ex…

Após 72 horas, famílias sem terra voltam a ocupar lotes no Salitre

Imagem
Após terem sido despejadas do acampamento Abril Vermelho, no projeto Salitre em Juazeiro Bahia, na tarde da última terça-feira 6, as famílias sem terra voltaram a ocupar o lote 308, área pública que está sobre administração da Codevasf, onde estão acampadas há sete meses.Os trabalhadores só esperaram vencer o prazo de 72 horas da liminar solicitada pela Companhia para montar outra vez o acampamento.
Na área, os trabalhadores sem terra estão produzindo melão, tomate, pimentão, cebola dentre outras culturas. Somente um dos produtores, conhecido por Gervásio deve  arrecadar mais de 17 mil reais com a safra  de um hectare de melão a ser colhida nos próximos dias. A intenção do MST é que a Codevasf doe o lote  para as famílias sem terra. 
Por Uilson Viana-CPT

Relatório da Câmara dos Deputados relaciona agrotóxico a câncer em Unaí

Imagem
Frei Gilvander Moreira diz que o que o motivou a sair de Belo Horizonte e ir até Unaí, a 580 km de distância, para gravar o vídeo, agora contestado na Justiça, foi sua relação afetiva com a cidade. Ele morou lá durante a infância, dos 4 aos 8 anos de idade. "Conheço a fundo a realidade do Noroeste de Minas, inclusive porque existe uma ordem dos Carmelitas lá em Unaí."

Venda de terras tradicionais em larga escala agrava a insegurança alimentar

Imagem
O relatório Situação da Terra, divulgado nesta terça-feira (13), pela ONG ActionAid, afirma que a venda de terras de comunidades tradicionais em larga escala pode agravar a insegurança alimentar, principalmente com a concentração de posse por grupos estrangeiros. O caso é semelhante ao registrado nas terras quilombolas capixabas, onde a insegurança alimentar foi relacionada com a ocupação das terras tradicionais das comunidades do Sapê do Norte, nos municípios de Conceição da Barra e São Mateus, norte do Estado. Na região, grande parte das terras é ocupada pela Aracruz Celulose (Fibria).

Camponesas promovem encontro para debater o papel das mulheres na Bahia

24 de outubro de 2012

Por Wesley Lima
Da Página do MST


As mulheres camponesas do município de Igrapiúna (BA) estão organizando o Ciclo de Encontro das Margaridas, onde pretendem discutir e a construir atividades práticas que possam fortalecer e intensificar a luta da mulher camponesa na atual sociedade.

O encontro acontece entre os dias 2 e 4 de novembro, no Assentamento Limoeiro. A iniciativa, pensada pela Escola Familiar Margarida Alves, visa construir um espaço de formação feito tanto pelas mulheres quanto para as mulheres.

Nesse sentido, o ciclo de estudos procura atingir em sua priori as trabalhadoras rurais, de modo que possam se munir mais sobre seus direitos sociais.

Espera-se a presença de cerca de cem camponesas assentadas e acampadas das áreas do MST na região, cuja proposta é discutir a Lei Maria da Penha, visualizando as conquistas e os desafios, além de provocar a reflexão sobre a saúde da mulher, os seus direitos diante a sociedade e as políticas públicas de gênero.

Além disso…

Butão quer eliminar uso de agrotóxicos até 2030

Imagem
O pequeno reino himalaio do Butão, conhecido por sua busca da "felicidade nacional bruta", deseja se tornar o primeiro país do mundo a viver de uma agricultura "100% biológica", ao se propor a eliminar gradualmente os produtos químicos agrícolas dentro de dez anos.

Os descaminhos do dinheiro: a compra das eleições

Imagem
Este tipo de corrupção leva a que se deformem radicalmente as prioridades do país, que se construam elefantes brancos. A deformação das prioridades mediante desvio dos recursos públicos daquilo que é útil em termos de qualidade de vida para o que é mais interessante em termos de contratos empresariais, gera um círculo vicioso, pois financia a sua reprodução.
Uma dimensão importante deste círculo vicioso, e que resulta diretamente do processo, é o sobre-faturamento. Quanto mais se eleva o custo financeiro das campanhas, conforme vimos acima com os exemplos americano e brasileiro, mais a pressão empresarial sobre os políticos se concentra em grandes empresas. Quando são poucas, e poderosas, e com muitos laços políticos, a tendência é a distribuição organizada dos contratos, o que por sua vez reduz a concorrência pública a um simulacro, e permite elevar radicalmente o custo dos grandes contratos. Os lucros assim adquiridos permitirão financiar a campanha seguinte.

Evento em Juazeiro (BA) discute o papel da comunicação no desenvolvimento do Semiárido

Imagem
Nos dias 18, 19 e 20 de outubro, o auditório da Universidade do estado da Bahia (UNEB), em Juazeiro, sediará o Seminário “Comunicação pra quê? Por uma nova pauta no sertão”, evento que pretende reunir estudantes, educadores/as, profissionais da imprensa convencional e alternativa, militantes de movimentos sociais e demais pessoas que se interessem em discutir a comunicação e sua relação com o desenvolvimento do Semiárido.

Frente Parlamentar defende assistencialismo institucional para comunidades tradicionais

Imagem
Comunidades tradicionais, como as formadas por indígenas, agricultores familiares e quilombolas, têm sofrido com os efeitos negativos de conflitos ambientais. Estudo recente da Fundação Oswaldo Cruz aponta 343 conflitos que tiveram impacto na saúde coletiva dessas populações, gerando piora em sua qualidade de vida e favorecendo a disseminação de doenças.
Para reverter o impacto desses conflitos, o presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa das Populações Extrativistas e dos Povos e Comunidades Tradicionais, deputado Afonso Florence (PT-BA), defende a adoção de algumas medidas. Entre elas, o aperfeiçoamento da legislação sobre as políticas públicas na área.
Afonso Florence afirma que essas populações precisam ter mais facilidade de acesso a programas sociais e serviços públicos.

Energia eólica: uma análise dos impactos socioambientais em Caetité

Imagem
Gilmar Ferreira dos Santos
Nos últimos três anos os municípios de Caetité, Guanambi, Igaporã e Tanque Novo sofreram uma mudança radical com alterações bruscas em suas paisagens e no modo de vida das populações do campo e cidade. Essas mudanças representam o início de um novo ciclo de exploração econômica nunca antes imaginado pela maioria dos moradores, “o negócio dos ventos”, com a implantação de centenas de aerogeradores. Mais do que aspecto econômico, a energia eólica trás consigo uma carga de contradições, a exemplo de contratos suspeitos; danos econômicos, sociais e ecológicos às comunidades, contando com a total conivência do Estado junto às empresas, e que serão descritos a seguir. “Energia limpa para o Brasil” esse tem sido um dos principais e contraditórios lemas das empresas eólicas.
Atualmente, cinco grandes empresas vêm atuando na região de Caetité: Renova Energia, Iberdrola, Polimix, Atlantic e EPP. Duas delas já iniciaram a implantação dos aerogeradores (Renova e Iberdrol…

ESSA TERRA TEM DONO: MINERAÇÃO ASSIM NÃO!

O Conselho Indigenista Missionário, Cimi, vem a público manifestar extrema preocupação e absoluto repúdio frente à proposta de substitutivo ao Projeto de Lei 1610/96, que dispõe sobre a exploração e o aproveitamento de recursos minerais em terras indígenas, disponibilizada pelo deputado federal Édio Lopes (PMDB/RR), relator da Comissão Especial da Câmara que trata do tema. O Cimi entende que a tramitação açodada da matéria e o teor do substitutivo em questão seguem na mesma esteira de um conjunto de instrumentos legislativos e administrativos que vem sendo intensivamente usados pelos setores anti-indígenas e pelo governo brasileiro para invadir, explorar e mercantilizar as terras indígenas. O intuito é um só: implementar o desenvolvimentismo agro-extratitivista exportador e aprofundar a territorialização e a acumulação do capital. O Cimi considera o substitutivo apresentado pelo deputado Édio Lopes flagrantemente inconstitucional, um acúmulo de equívocos e arbitrariedades que desconstro…

Agronegócio utiliza cada vez mais agrotóxicos por hectare

Da IHU On-Line

Considerado o maior consumidor de agrotóxicos do mundo, o mercado brasileiro corresponde “a quase 1/5 (um quinto) do mercado mundial no volume de vendas” de herbicidas, algo em torno de 19% do mercado internacional. De acordo com Victor Pelaez Alvarez, “entre 2001 e 2010, a produção agrícola das oito principais commodities consumidoras de agrotóxicos aumentou 97%, a área plantada aumentou 30% e a venda de agrotóxicos aumentou 200%”. Esses dados, ressalta, demonstram a intensificação do uso do produto nas lavouras brasileiras, que “estão usando mais agrotóxicos por hectare”.

Na entrevista a seguir, concedida por telefone à IHU On-Line, Alvarez afirma que o ingresso do Brasil no mercado de agrotóxicos segue uma “lógica comercial”, considerando que treze empresas são responsáveis pela maior parte da produção de pesticidas no mundo. “Há uma troca entre unidades de produção de uma mesma empresa, na medida em que elas têm uma lógica de produzir em grande escala. Algumas plant…

ONU reconhece necessidade de garantir os direitos dos camponeses

9 de outubro de 2012

Da Via Campesina
O Conselho dos Direitos Humanos das Nações Unidas adotou uma resolução chave sobre a necessidade de se criar uma nova ferramenta para os direitos dos mais de um milhão de camponeses e de trabalhadores rurais do mundo inteiro.

A resolução faz parte do relatório do Comitê Consultivo do Conselho dos Direitos Humanos, intitulado “Estudo final do Comitê Consultivo do Conselho dos Direitos Humanos sobre o avanço dos direitos dos camponeses e outros trabalhadores das zonas rurais”.

A iniciativa é essencial pelo papel chave que os camponeses desempenham na produção de alimentos e os desafios em torno da questão agrária, bem como o crescente número de conflitos em torno da terra e da água, assim como as crises dos preços alimentares e climáticos.

A resolução do Conselho dos Direitos Humanos da ONU foi aprovada no último dia 27 de setembro, depois de 23 Estados membros terem votado a favor, 15 terem se abstido e 9 votaram contra o texto.

Tal estudo foi adotado pe…

Relatoria investiga violações de Direitos Humanos no caso da fazenda Cedro

Da Página do MST
Com informações da Dhesca

Entre os dias 8 a 10 de outubro, a Relatoria do Direito Humano a Terra, Território e Alimentação da Plataforma Dhesca Brasil realiza uma missão de investigação sobre casos de violações dos direitos humanos relacionados à terra e à reforma agrária no município de Marabá, na região sudeste do Pará. 

A iniciativa se dá após a denúncia de movimentos sociais, como o MST e a Comissão Pastoral da Terra (CPT), sobre o ataque de seguranças privados à integrantes do MST, na Fazenda Cedro, do banqueiro Daniel Dantas, em junho deste ano.

Vídeo mostra violência dos jagunços do Dantas contra marcha dos Sem Terra 

No episódio, mais de mil famílias realizavam um ato, em frente à sede da fazenda, contra o desmatamento, o uso intensivo de agrotóxicos e a grilagem de terras públicas, quando foram atacados pelos seguranças armados, deixando ao menos 15 Sem Terra feridas à bala.

Em meio ao mar de cobre, a seca castigante

Imagem
Vídeo mostra a dura realidade de comunidades rurais de Curaçá, na Bahia, um dos municípios com maior extração de minérios no Estado.



Trabalho escravo: MTE resgata 150 trabalhadores no Pará

Imagem
Imagem
Movimentos pressionam para que Equador não ceda aos transgênicosPor Natasha Pitts

Da Adital


       A Via Campesina Internacional, movimento que une trabalhadores/as agrícolas do mundo todo em defesa da agricultura sustentável em pequena escala como modo de promover a justiça social e a dignidade, fez, na última semana, um apelo ao presidente equatoriano Rafael Correa. Os integrantes da organização pedem que o mandatário não se renda aos transgênicos e que respeite as decisões tomadas pelo povo equatoriano.

Por Ilha e pelo Velho Chico, manifestante tomam banho no meio da ponte Presidente Dutra

Imagem
Para comemorar o aniversário do Rio São Francisco, nessa quinta-feira  4, pescadores de Juazeiro e Petrolina, representantes de movimentos sociais  e integrantes do Coletivo Salve a Ilha do Fogo  tomaram  banho no meio da ponte Presidente Dutra, que liga os estados da Bahia e Pernambuco.
Além de fazer referência ao Velho Chico,  os trabalhadores da pescam e o Coletivo protestaram contra a ocupação da Ilha do Fogo pelo Exército Brasileiro, ocorrida no dia três de setembro deste ano. A invasão militar do espaço, localizado quase no meio do rio, entre as duas cidades,  tem atrapalhado a atividade pesqueira, já que o local  funciona como um ponto de apoio dos pescadores.
“ Hoje 52 famílias dependem da Ilha do Fogo para sobreviver, já que nós pescadores precisamos utilizar o espaço para guardar equipamentos de pesca, descansar. E não tem melhor local do que esse para ajudar nos trabalhos da pesca”, afirma o pescador Gilson Coreolano.
Para restringir de vez a entrada  de não militares  …

MAPA E MCT pressionam para facilitar o comércio de transgênicos em detrimento da Biossegurança

Imagem
Embora o MAPA e MCT não se pronunciem nas reuniões abertas entre governo e sociedade civil, promovidas pelo Itamaraty para discutir a posição brasileira, os delegados destes ministérios, que podem ser facilmente vistos ao lado das empresas de biotecnologia, optam por pressionar os representantes do Itamaraty em conversas apartadas.

Os 164 países que fazem parte do Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança estão reunidos desde o dia 01 de outubro, em Hyderabad, na Índia, pela 6ª (MOP6) vez desde sua entrada em vigor, a fim de garantir o cumprimento Protocolo e da própria Convenção da Diversidade Biológica (CDB), que tem o objetivo de regulamentar a pesquisa e utilização dos transgênicos para prevenir e evitar os riscos a   biodiversidade, a saúde humana e aos direitos dos povos e comunidades locais.

Especialistas apontam uso sustentável da terra por comunidades tradicionais como solução para preservação

Imagem
O uso sustentável da terra por comunidades tradicionais tem sido apontado tanto pelo governo como por especialistas como solução de preservação para áreas de risco ambiental. No caso do Cerrado, a bandeira é defendida inclusive pelas universidades e por pesquisadores americanos que acompanham a trajetória do bioma que ocupa mais de 2 milhões de quilômetros quadrados do território nacional.
Imagem
Animais viviam melhor que trabalhadores em fazenda-zoológico no Maranhão
Em Santa Inês (MA), fazendeiro mantinha pequeno zoológico com bichos bem tratados, e criação de gado com 12 empregados em situação análoga à de escravo; processo trabalhista pode chegar a R$3 milhões
Por Guilherme Zocchio*
Zebra Vitória era muito
bem tratada (Fotos:MTE)
Vitória é uma zebra rara: vive entre pessoas e tem acesso livre à casa do seu dono, o fazendeiro Francisco Gil Alencar. Ele é proprietário de um mini-zoológico em Santa Inês (MA) cujo nome lhe presta uma homenagem: o "Gilrassic Park". Além de Vitória, o parque conta com 900 outros bichos de 100 espécies diferentes, principalmente aves e animais silvestres, que recebem acompanhamento especializado de um zootecnista.
A pouco mais de cinco quilômetros do Gilrassic Park, na mesma propriedade, a situação de 12 empregados de Francisco Gil era bem distinta: eles foram resgatados de condições análogas às de escravo pelo grupo móvel de fiscalização,…
Imagem
Pescadores apresentam reivindicações para representantes do governo


No dia 27 de setembro, nono dia dos protestos dos pescadores do Xingu, que se mantém acampados em ilha próxima às obras da barragem de Belo Monte, representantes do Ministério da Pesca e da Casa de Governo se reuniram com representantes da Colônia de Pescadores Z-57 em Altamira, no Pará. Também participaram da reunião a Associação dos Criadores e Pescadores de Peixes Ornamentais (ACEPOAT) e a Cooperativa dos Pescadores e Beneficiadores de Pescado de Altamira (COOPEBAX).

Depois da eleição, o furacão da mineração em terras indígenas

Imagem
Remover a terra, numa guerra desigual e insaciável, em busca do vil metal! Eis a nova batalha anunciada. As vítimas serão mais uma vez os povos indígenas, que verão enormes máquinas adentrarem seus territórios, rasgarem o ventre da mãe terra e dela extraírem riquezas para saciar a voracidade de acumulação de capital e poder. Mineradoras do mundo inteiro estão com suas máquinas a postos, aguardando apenas o sinal verde da aprovação do projeto que regulamente a exploração mineral em terras indígenas. 
O relator da Comissão Especial criada na Câmara dos Deputados, deputado Edio Lopes, já anunciou que seu relatório está pronto e estará sendo colocado em votação logo depois das eleições. "Pelas contas do relator, há quase 10 mil requerimentos de pesquisa de lavra, 150 pedidos de lavra e 10 títulos de lavra que incidem sobre terras indígenas". O autor do projeto de Lei é o senador Romero Jucá, de Roraima, que tem enormes expectativas na aprovação, pois parentes seus tem minerador…