Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2017

AGENTES DA CPT E DA PARÓQUIA DE PILÃO ARCADO VISITAM COMUNIDADES CAMPONESAS

Imagem

11° MANDAMENTO

Imagem
Por Roberto Malvezzi (Gogó)
A Quaresma continua a mesma e, com as Campanhas da Fraternidade, cada vez melhor. É um tempo que rememora os 40 anos do povo de Israel no deserto, ou 40 dias de Jesus no deserto, ou 40 dias que a Igreja delimitou como anteriores à celebração da Páscoa. Os sinais de “conversão”, no sentido de “rasgar os corações e não as vestes”, são o jejum, a oração e a esmola. Mas, o que importa é a conversão permanente. Entretanto, ao trazer o tema da CF relacionando a fraternidade com o cuidado dos biomas brasileiros, a Igreja fala aos católicos, às outras Igrejas e a todo povo brasileiro. Agora nossa conversão adquire uma terceira dimensão. Se antes era um período de conversão a Deus e aos irmãos, agora inclui o 11º mandamento: cultivar e guardar a criação (Gênesis 2,15). Bioma vem do grego. Bio é vida. Oma é conjunto, estrutura, etc. Portanto, bioma é um conjunto de vidas que ocupam um determinado espaço, sob um mesmo clima, um solo semelhante e um relevo semelhante. Dai…

CPT DE JUAZEIRO REALIZA ENCONTRO COM COMUNIDADES DE REMANSO

Imagem
Representantes das comunidades rurais de Tamboril, Ponta da Serra I, Lagoa dos Cavalos, Pedra da Onça, Salinas Grande, Xique-Xique e Serrote, estiveram reunidos, na última sexta-feira (17), com agentes da Comissão Pastoral da Terra (CPT) de Juazeiro. O encontro, que foi realizado na cidade de Remanso (BA), também contou com a presença de integrantes do Sindicato dos Trabalhadores Rurais do município e da Paróquia de Nossa Senhora do Rosário.  
Durante o encontro, os participantes discutiram a conjuntura atual da região e do país. Foram apontadas preocupações com a estiagem, pois já tem um ano que não chove na região e os trabalhadores e trabalhadoras do campo não conseguiram armazenar água e pasto; e com as reformas propostas pelo Governo de Michel Temer, principalmente a que altera as regras da Previdência Social.
Os representantes das comunidades também destacaram o fortalecimento da organização local, o enfrentamento às grilagens de terras e o acesso às tecnologias de convivência do…

UMA SECA DE SEIS ANOS

Por Roberto Malvezzi (Gogó)
Nesses quase 40 anos de sertão é a primeira vez que ficou um ano sem cair chuva no telhado de casa. A última chuva foi em Janeiro de 2016. No entorno da cidade, Juazeiro da Bahia, já choveu. O problema básico não é que fica sem chover, mas chover muito menos. Os cientistas estão perplexos, porque a cada ano se fala que teremos chuvas normais, até acima da média, mas elas não vêm. Atribui-se sempre a razão ao fenômeno El Niño, que aquece as águas do Pacífico, elas caem abundantes no sul e sudeste do Brasil, mas não chegam ao coração do Semiárido. Nós, que acompanhamos as mudanças climáticas, suspeitamos que elas já chegaram, para ficar, e a prevista diminuição das chuvas de 20 a 40% no Semiárido já está acontecendo. Numa situação climática como essa, 20 anos atrás, o Nordeste já seria uma tragédia social e humanitária de proporções gigantescas, com centenas de milhares de mortos, sem falar nos migrantes e tantas outras mazelas sociais e humanitárias. Entretanto, …

MORADORES DE BREJO DE DENTRO, EM SENTO SÉ, COBRAM ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA COMUNIDADE

Imagem
Cerca de 120 famílias do fundo de pasto de Brejo de Dentro, localizado no município de Sento Sé, estão enfrentando um sério problema na comunidade: a falta de água. A população local vive basicamente da agricultura familiar e da criação de animais, mas não está tendo água nem para atividades domésticas, como tomar banho e cozinhar. Na comunidade há um poço artesanal e um sistema de abastecimento, mas a água não chega nas caixas d’águas das casas.
A solução encontrada pelos moradores foi cavar buracos nas ruas, em locais em que a água do poço ainda chega. “Não temos água para maioria das pessoas do povoado, o pessoal está no meio do sol, pegando água para sobreviver e correndo risco até de prejudicar a saúde”, comenta a presidente da Associação de Trabalhadoras Rurais Arlene Barros.
A água desse poço é ligada três vezes ao dia, às 6h, 10h e às 13h. Durante esse período, os moradores formam filas nas ruas para encher os galões de água. “Tem dia que a gente perde serviço esperando pela ág…