MORADORES DE BREJO DE DENTRO, EM SENTO SÉ, COBRAM ABASTECIMENTO DE ÁGUA NA COMUNIDADE






Cerca de 120 famílias do fundo de pasto de Brejo de Dentro, localizado no município de Sento Sé, estão enfrentando um sério problema na comunidade: a falta de água. A população local vive basicamente da agricultura familiar e da criação de animais, mas não está tendo água nem para atividades domésticas, como tomar banho e cozinhar. Na comunidade há um poço artesanal e um sistema de abastecimento, mas a água não chega nas caixas d’águas das casas.

A solução encontrada pelos moradores foi cavar buracos nas ruas, em locais em que a água do poço ainda chega. “Não temos água para maioria das pessoas do povoado, o pessoal está no meio do sol, pegando água para sobreviver e correndo risco até de prejudicar a saúde”, comenta a presidente da Associação de Trabalhadoras Rurais Arlene Barros.

A água desse poço é ligada três vezes ao dia, às 6h, 10h e às 13h. Durante esse período, os moradores formam filas nas ruas para encher os galões de água. “Tem dia que a gente perde serviço esperando pela água”, diz o agricultor Antônio da Silva. Às vezes, a população não consegue encher nem um galão de água, como afirma o agricultor Clévio dos Santos: “Todo dia a gente vem pegar água aqui, tem vezes que pegamos quatro baldes, um, e às vezes não dá pra encher nenhum”.


Segundo os moradores de Brejo de Dentro, há cerca de dois anos a Codevasf instalou uma caixa d’água e encanamentos para levar água do Rio São Francisco à comunidade, mas, ainda segundo a população, esse sistema de abastecimento só funcionou durante o período eleitoral. “A comunidade vizinha tem água encanada, tá faltando o que pra água chegar aqui? As casas têm registros e a água não chega, nós não estamos pedindo, nós vamos pagar pela água”, reivindica Antônio.

 

Enquanto o problema persiste, os moradores fazem um apelo para que os órgãos responsáveis pelo abastecimento de água na comunidade resolvam a situação. “A gente sabe que pegaram dinheiro pra fazer esse serviço e abandonaram, dizendo que roubaram um transformador, só que nós queremos a água, nós temos direito de ser gente, porque aqui no Brejo de Dentro tem gente, não apenas animais e até os animais precisam de água pra beber”, insiste a agricultora Josefa Barros. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias

XII Encontrão de Jovens de Campo Alegre de Lourdes