NOTA PÚBLICA DAS PASTORAIS SOCIAIS DE BAHIA E SERGIPE


Sobre a Situação do Quilombo Rio dos Macacos e Tororó
4 DE MARÇO DE 2012

Para Sr.Dr. Diogo Santana, representante da
Secretaria Geral da Presidência da República,
Para o representante da Marinha do Brasil,
Para o Sr. Governador do Estado da Bahia,
Para a CNBB Nacional
Para a opinião pública

Nós, representantes das Pastorais Sociais do Regional Nordeste III – Bahia e Sergipe, tomamos conhecimento do sofrimento e das ameaças que vem recebendo os  quilombolas
moradores do Quilombo Rio dos Macacos e Tororó, apesar das garantias expressadas na
reunião que aconteceu no dia 27 de fevereiro de 2012, com a presença do representante da Secretaria Geral da Presidência da República.
 
Por meio desta, queremos expressar para as autoridades  e para a opinião pública, nosso repúdio aos constantes atos de intimidação e agressão como os que ocorreram na noite deste último sábado, 3 de março, véspera da execução adiada da expulsão,  quando, tratores da Marinha do Brasil e policiais militares cercaram e ameaçaram a casa de alguns moradores do Quilombo, como os jornais publicaram e fontes fidedignas nos noticiaram nesta manhã de domingo, em que nós estávamos reunidos.
 
Expressamos  nosso  irrestrito  apoio aos quilombolas quando exigem o direito à permanência em suas terras e estão alertados, não aceitando que, após vários prazos, tudo seja configurado para que eles aceitem uma chamada “retirada pacifica”.
 
O estado brasileiro, baiano e toda a sociedade, tem uma grande divida a pagar com estes moradores e o primeiro passo é deixá-los viver em paz em suas terras podendo cultivar e
criar seus animais.
 
Aproveitamos esta oportunidade em que estamos aprofundando o sentido da 5ª Semana Social Brasileira, a ser realizado ao longo deste ano e do próximo,  para apelar à instancia nacional da CNBB Nacional,  para que, tomando conhecimento desta situação lamentável que nossos irmãos estão vivendo, possa contribuir junto às autoridades para que não seja levada a cabo mais uma injustiça gritante, com a expulsão das famílias de Rio dos Macacos e Tororó, um  território onde  eles vivem e labutam,  há mais de 100 anos.

Salvador, BA, 4 de março de 2012


Coordenadores (as) das Pastorais Sociais do Regional Nordeste III – Bahia e Sergipe
Fonte: http://www.cptba.org.br/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Nós vamos ficar com a morte e a doença”: Em Sento Sé (BA), comunidades ribeirinhas temem empreendimento de mineração

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias