CPT CENTRO NORTE REALIZA MUTIRÃO COM COMUNIDADES EM CONFLITO




Entre os dias 25 a 27 de julho, agentes da Comissão Pastoral da Terra das Dioceses de Juazeiro, Senhor do Bonfim e Ruy Barbosa visitaram e se reuniram, no município de Casa Nova, com moradores de 37 comunidades que vivem em constante ameaças de perder seus territórios por causa de grilagens.  As terras dos camponeses são invadidas a qualquer custo, utilizando-se dos mais variados métodos de violência como: pressão psicológica, enganações, invasões, pistolagem, ações judiciais e, inclusive, a força policial para apoderar-se da terra das famílias que há centenas de anos vivem em suas comunidades.
A equipe se impressionou com o espírito de resistência e de luta das comunidades, conheceu as experiências de convivência com o semiárido, a solidariedade que existe entre as famílias e comunidades na defesa dos seus territórios. Uma espiritualidade que motiva e movimenta estas comunidades, a partilha do saber, do poder e da comida em abundância.
Os/as agentes da CPT perceberam também, no meio destas comunidades, a indignação frente às injustiças cometidas contra os pobres, principalmente, por parte de quem tem a responsabilidade de garantir a Justiça. Um dos momentos mais altos de indignação e emoção deste mutirão se deu durante a visita no fundo de pasto de Areia Grande. Desde o final dos anos 1970, o território e o modo de vida desse local estão sendo ameaçados.
Motivada pela palavra do profeta bíblico Miqueias, a comunidade denunciou as injustiças das quais são vítimas, celebrou suas lutas e anunciou a esperança de conseguirem finalmente viverem com segurança e dignidade em seu território. As famílias avaliaram suas ações e definiram estratégias para continuarem firmes na luta, na certeza de que o Deus da vida caminha com seu povo.

 


Os/as agentes da CPT, vindos de regiões diferentes, aprofundaram-se na história deste povo e avaliaram como um momento forte de animação da luta, de convivência fraterna, de troca de experiências e de conhecimento da realidade. Apesar dos desafios enfrentados pelos camponeses e camponesas, acreditam em saídas de forma coletiva. A eles prestaram e prestarão total solidariedade para o que der e vier.

Ai daqueles que tramam maldades; que mesmo repousando em suas camas planejam crueldades. E, logo que o dia amanhece eles executam seus planos malignos...”                       (Miqueias 2,1)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Nós vamos ficar com a morte e a doença”: Em Sento Sé (BA), comunidades ribeirinhas temem empreendimento de mineração

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias