Jovens participam de Formação de Comunicação em Casa Nova

Revistas, jornais, cola, papel e tesoura. Os materiais são simples e parece até que vão ser utilizados em uma brincadeira, mas, eles também podem ser usados para construção de uma revista: a fanzine. Fácil de fazer e de baixo custo, esse tipo de publicação possibilita a transmissão de uma mensagem de forma bastante criativa.

Jovens de comunidades tradicionais de fundos de pasto dos municípios de Casa Nova e Remanso confeccionaram, no último fim de semana, algumas fanzines. As revistas abordaram diversas temáticas, como a diversidade cultural, a luta dos trabalhadores/as do campo e a situação política do país. 

A atividade de produção de fanzines fez parte de uma Formação de Comunicação realizada pela Comissão Pastoral da Terra de Juazeiro, que aconteceu nos dias 20 e 21 de outubro, em Casa Nova. 



Durante a Formação, os/as participantes também refletiram sobre o direito à comunicação e a importância da comunicação popular e alternativa à grande mídia. "Eu gostei muito e o que me chamou a atenção foi que eu fiz atividades novas que eu nunca tinha feito", disse a estudante Taiana de Carvalho da comunidade Lagoa dos Cavalos em Remanso. 

Além da confecção de fanzines, os/as jovens também fizeram uma atividade prática de produção de notícias na Feira Livre da cidade. "Eles experimentaram várias etapas do jornalismo, como a produção da pauta, apuração dos fatos e redação de texto", comentou Esther Santana, estudante de Jornalismo em Multimeios da UNEB/Juazeiro, que foi uma das facilitadoras da Formação.

Para a estudante Paula Oliveira, da comunidade do Riacho Grande em Casa Nova, se aprofundar sobre a temática da comunicação e do jornalismo foi interessante e proporcionou novas descobertas. "A gente aprendeu a se comunicar melhor, também conhecemos bastante da feira, coisas que mesmo sendo da cidade não conhecíamos, foi muito bom", afirmou. 

Texto e fotos: Comunicação CPT Juazeiro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Nós vamos ficar com a morte e a doença”: Em Sento Sé (BA), comunidades ribeirinhas temem empreendimento de mineração

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias