NOTA PÚBLICA: Interditar Lula é consumação do fascismo


Diretoria e Coordenação Nacional Executiva da Comissão Pastoral da Terra (CPT), reunida em Goiânia (GO), divulga Nota Pública  sobre a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que ocorreu na noite deste sábado, 07 de abril. Confira:

(Imagem: Francisco Proner/ Farpa Fotocoletivo)
Consumada a prisão do ex-presidente Lula, a Diretoria e a Coordenação Nacional Executiva da Comissão Pastoral da Terra (CPT), reunidas em Goiânia, Goiás, juntam-se a toda gente de boa vontade e senso de Justiça para externar sua inconformidade com este ato. Neste, configura-se o auge de uma trama de assalto ao poder do Estado e dizimação da frágil democracia brasileira para consolidar a submissão nacional aos interesses ilimitados do capital global.
Ainda que tenhamos sérias críticas aos governos de conciliação de classes sob controle das coalizões lideradas pelo PT – críticas sobretudo às políticas agrária, agrícola e ambiental – é inegável que estes governos reduziram desigualdades sociais, através de políticas de distribuição de renda e inclusão social, mesmo que estas não foram consolidadas em avanços estruturais irreversíveis. A larga vantagem de Lula nas intenções de voto para as eleições presidenciais deste ano comprova que a maioria trabalhadora e pobre deste País o quer de volta, na esperança de retomar o que perdeu com a sucessão de golpes e retrocessos nos direitos operados pelo governo ilegítimo de Temer. O mesmo querem dizer as manifestações populares de hoje em todo o País, para além de controles partidários, sem medo de repressão, tal a revolta com a prisão, que pisoteia um princípio fundamental da Justiça, que é o da presunção de inocência, e pretende interditar sonhos de vida melhor.
É exatamente para impedir que a volta de Lula se concretize e venha a desfazer medidas de concentração de riqueza e poder, que toda sorte de arbítrios e desmandos tem sido feita, no âmbito dos Três Poderes da República, acobertada pelas formalidades da lei, vazias de verdade e real justiça. Para isto, vale tudo, de insuficiência de provas concretas a ágeis manipulações de leis e jurisprudências, num falso e hipócrita combate à corrupção sistêmica, contando com o aparato empresarial-midiático a martelar nas consciências a versão enviesada e torpe. Inescrupulosamente, não é o mesmo comportamento para outros líderes, de outros partidos, praticantes de crimes notórios. E a simples razão é porque estão a serviço e são beneficiários dos retrocessos e rendições à acumulação ampliada do capital financeiro-agrário que avassala povos e nações, sobretudo as mais ricas em bens naturais.
De costas para os interesses populares, o que este complexo empresarial-financeiro-midiático faz, com apoio militar velado ou explícito, é nutrir, estrategicamente, o ódio, a intolerância e o preconceito, expressões do fascismo social, em que só vale o indivíduo com seus interesses privados, não mais a sociedade e a partilha coletiva de bens comuns e públicos. O avanço da violência impune no campo e na cidade é sua face mais cruel.
Portanto, interditar Lula, ícone simbólico de uma alternativa, é a consumação do fascismo neoliberal no Brasil. Defendê-lo, independentemente de ser ou não ser petista ou lulista, tornou-se obrigação de todo verdadeiro democrata e promotor da Justiça, dos direitos humanos e de um outro mundo possível, política, social e ambientalmente sustentado. O antipetismo cultivado se faz contra esta possibilidade.
Com isso, a CPT se compromete e junta forças com as comunidades camponesas que acompanha e resistem nos territórios, organizações parceiras e movimentos sociais em todo o País. Estamos convencidos de que, preso político, engrandecido na prisão, como grandes líderes o foram, Lula, mesmo com seus erros e até não sendo eleito, reúne mais condições de influenciar o futuro do País, que só será melhor se, nos marcos construtivos de uma democracia real participativa, através de assembleias e plebiscitos, revogar as medidas regressivas atuais e estabelecer a soberania popular que nunca tivemos.
Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? (...) em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. (Romanos 8,35.37).
Diretoria e Coordenação Nacional Executiva da CPT.
Goiânia, 07 de abril de 2018.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias

XII Encontrão de Jovens de Campo Alegre de Lourdes