Os currais eclesiais

Por Roberto Malvezzi (Gogó)
A parábola bíblica do Bom Pastor é uma das mais conhecidas. Jesus se compara a um bom pastor, que cuida bem de suas ovelhas, que dá sua vida por elas e as defende dos lobos vorazes (João 10, 1-18). Porém, o contrário do Bom Pastor não é o lobo, mas o “mercenário”, aquele que finge ser pastor, mas quando apertado abandona suas ovelhas e foge.
O mercenário é mais que um fujão. Ele pode explorar suas ovelhas, ficar rico às custas delas, manipular sua boa vontade, manobrá-las como se fossem um grupo de idiotas.
No mundo contemporâneo e urbanizado não é fácil sustentar a parábola do Bom Pastor. Ninguém mais hoje em dia quer ser ovelha, no sentido que simplesmente obedece a uma voz de comando sem entender o que está acontecendo. Por isso mesmo, em outro contexto, Jesus vai dizer aos seus discípulos que eles não são servos, mas amigos, porque o servo não sabe o que faz ao seu Senhor, mas o amigo sabe (João 15,15).
Quem conheceu o sertão nordestino anterior à década de 1990 sabe o que eram os currais eleitorais. A voz de um coronel era capaz de determinar os votos de toda uma comunidade, até de um município, até de uma região. Eram os senhores da vida e da morte da população. Ainda é atual o célebre livro de Victor Nunes Leal “Coronelismo, Enxada e Voto”. Mas, as oligarquias nordestinas foram caindo no curto período democrático que passamos, e a última a cair foi a dos Sarney no Maranhão. Hoje temos novos governadores no Nordeste e as viúvas dos coronéis hoje encontram alguma guarida no bolsonarismo, por isso não passam muito de 20% da população do Nordeste.
Mas, novos currais eleitorais passaram a ditar a vida de milhões de brasileiros no Brasil atual. São massas humanas dominadas por mercenários, que se dizem pastores, mas que obrigam por chantagens religiosos suas ovelhas a votarem em candidatos pré-determinados, a fazerem arminhas, a não frequentarem outras igrejas, a ouvirem somente suas músicas religiosas, a entregarem seu dízimo e suas consciências aos seus orientadores. Isso acontece tanto em setores da Igreja Católica como em igrejas evangélicas.
Os tempos são outros, mas o medo à liberdade faz com que muita gente prefira ser ovelha que pessoa humana. Os currais eleitorais continuam vivos, agora como currais eclesiais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Nós vamos ficar com a morte e a doença”: Em Sento Sé (BA), comunidades ribeirinhas temem empreendimento de mineração

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias