JUVENTUDE AMEAÇADA POR GRILEIROS DISCUTE TERRA E TERRITÓRIO


Jovens que foram agredidos/as durante uma tentativa de reintegração de posse dada a grileiros em Casa Nova hoje estão discutindo questões relativas à terra, território e permanência no campo. 

Os momentos de formação desses jovens de Areia Grande, área de fundo de pasto há 30 anos vítima de tentativas de grilagem de terra, ocorrem durante a Escola de Formação da Juventude Rural. 

Os espaços foram criados para atender uma estratégia dos pais. Em 2008, suas famílias resistiram a ameaças de capangas e a uma resolução jurídica, para continuar vivendo no território de Areia Grande. Hoje, incentivam os filhos e as filhas a se engajarem ainda mais na organização da luta em defesa do seu jeito de viver no sertão.

Dessa forma, surgiu a série de cursos articulados pela União das Associações de Fundo de Pasto de Casa Nova (Unasfp) em parceria com a Comissão Pastoral da Terra (CPT). A última oficina reuniu 40 jovens de cinco comunidades de Casa Nova. O tema do encontro foi Terra e Território e contou com a participação do advogado Lucas Vieira. 

Durante esse momento, realizado entre 18 e 19 de outubro  os/as jovens puderam vislumbrar quais os direitos de suas comunidades sobre o espaço que elas ocupam de forma tradicional há gerações. Para a jovem Lorena Carvalho, 12 anos, da comunidade Ladeira Grande, "a oficina foi muito boa porque o pessoal presente pôde conseguir mais informações importantes".

Já Tiago Rocha, da Melancia, destacou a importância do ânimo da juventude de Areia Grande. "É muito bom ver os jovens todos empenhados e participando, se dedicando ao máximo".A próxima etapa da Escola de Formação deve discutir  relações de gênero. Aconteceram também discussões  sobre cultura, coordenada por Roberto Malvezzi, o Gogó.

As atividades de formação também estão acontecendo em Remanso, em parceria com a paróquia local  o Sindicato dos Trabalhares e Trabalhadoras Rurais do município e o Sasop.  Neste município, aproximadamente 30 jovens também puderam discutir questões culturais e também as relações que existem entre comunicação e sociedade.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Nós vamos ficar com a morte e a doença”: Em Sento Sé (BA), comunidades ribeirinhas temem empreendimento de mineração

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias