JOVENS DISCUTEM COMO PRODUZIR ALIMENTOS E GERAR RENDA DE MODO SUSTENTÁVEL NO SEMIÁRIDO


O grupo visitou  unidade comunitária de processamento de frutas 

Produzir alimentos e gerar renda de forma sustentável em territórios semiáridos foi o tema da quinta etapa da Escola de Formação da Juventude Rural de Remanso. A oficina aconteceu nos dias 14 e 15 de março, na sede do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais. Participaram da atividade cerca de 30 jovens de famílias camponesas.

No primeiro dia de oficina, pela manhã, o integrante do Sasop, Elson de Oliveira,  discutiu aspectos produtivos da convivência com o semiáriado. Entres os pontos abordados na conversa, esteve as diferenças entre as sementes criolas, cultivadas pela agricultura familiar a gerações,  e aquelas produzidas por empresas multinacionais, como as sementes transgênicas.

À tarde o grupo foi até a comunidade de Salinas Grande. Na localidade, os/as jovens observam  também como a organização coletiva pode ser importante para o sucesso da produção familiar. Em Salinas, o grupo conheceu, dentre outras iniciativas, uma fábrica comunitária para beneficiar frutos da caatinga, como o umbu.

No domingo 15, os/as participantes da oficina trocaram ideias sobre o que foi observado em Salinas Grande. Para o jovem Francisco da Costa, de Ponta da Serra 1, a atividade serviu para ampliar seus conhecimentos. “ Aprendi sobre raleamento da Caatinga e quero levar essa informação para a minha comunidade”.

Para Elson de Oliveira, a juventude camponesa é decisiva no desenvolvimento sustentável da região semiárida. “ O trabalho para conviver bem, e ter dignidade no Semiárido, perpassa pelo jovem, e o jovem tem um papel fundamental nessa luta”.


A Escola de Formação da Juventude Rural de Remanso é uma parceria entre a CPT, Sasop, STR e Paróquia Local.  Durante a formação, temas como cultura, terra e território e relações de gênero também foram discutidos. O próximo encontro acontece em abril  e temo por tema a conjuntura brasileira atual. 

As etapas de formação também acontecem em Casa Nova. Nos municípios de Campo Alegre de Lourdes e Sento Sé, as atividades devem iniciar entre abril e maio, respectivamente.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Nós vamos ficar com a morte e a doença”: Em Sento Sé (BA), comunidades ribeirinhas temem empreendimento de mineração

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias