Sustentabilidade de Sobradinho é tema de seminário que começa hoje


 
Começa hoje  e vai até amanhã  o Seminário Territorial  Sobre o Ordenamento e Gestão do Lago de Sobradinho. O evento acontece em Sobradinho entre os dias 7 e 8 de agosto.   A intenção é reunir instituições públicas das esferas federal, estadual, municipal e organizações da sociedade civil de Sobradinho, Remanso, Casa Nova, Sento-Sé, Pilão Arcado e Juazeiroa. O Conselho Pastoral de Pescadores (CPP), em parceria com o Ministério Público da Bahia e a direção do Território do Sertão do São Francisco são os coordenadores da atividade.



O  seminário pretende discutir os impactos decorrentes dos múltiplos usos das águas e terras do Lago e do seu entorno, identificar competências, responsabilidades e estabelecer compromissos de atuação conjunta do poder público e sociedade civil no desenvolvimento de ações concretas que garantam a gestão sustentável desses recursos naturais.

Atualmente, mais de 20 mil pessoas dependem das atividades econômicas   que têm como base o Lago de Sobradinho, como pesca e agricultura de vazante. Apesar da importância das suas águas, há poucos dias o Ministério Público apresentou, em uma audiência realizada na Codevasf, uma série de irregularidades nos sistemas de abastecimento de água e saneamento básico em cidades banhadas pelo Lago.

Outro grave problema que agride  o grande Sobradinho  e a saúde  de trabalhadores da sua borda é o uso indiscriminado de agrotóxicos. O integrante do CPP, Antônio Tarcísio da Silva, revela que em Riacho dos Pais,  povoado    de Sento-Sé, já foi registrado um grande número de pessoas com câncer. Os agroquímicos são utilizados de forma equivocada em plantações que dependem da vazão do Lago de Sobradinho.

Diante dos desrespeitos ambientais ao reservatório e, consequentemente, com as pessoas que dependem das águas de Sobradinho, Antônio Tarcisio considera que o Seminário será um espaço propositivo.  “Não queremos apenas apontar problemas que envolvem o Lago,  queremos, ao final do encontro, já encaminhar trabalhos que promovam possíveis soluções”.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Nós vamos ficar com a morte e a doença”: Em Sento Sé (BA), comunidades ribeirinhas temem empreendimento de mineração

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias