COMUNIDADES DE CASA NOVA SE ORGANIZAM PARA DEFENDER AS ÁREAS DE FUNDO DE PASTO


Camponeses e camponesas discutem estratégias para defender territórios
As comunidades de fundo de pasto têm um prazo curto, até o final de 2018,  para informar ao governo que vivem desta forma tradicional. Isso é o que estabelece a nova lei estadual de regularização fundiária 12.910 de 2013. Em Casa Nova, as famílias camponesas de fundo de pasto estão em processo de organização para defender suas terras  frente à nova regulamentação.  

Nesse sentido, no último dia 21, moradores de comunidades como Algodão de Cima se reuniram para debater os procedimentos para que a área de fundo de pasto da comunidade seja garantida. Além de discutirem os procedimentos legais para a autodefinição da comunidade, os/as presentes falaram também de problemas relacionados a mineradoras. 

Participantes das reuniões relataram que em comunidades vizinhas há funcionários de empresas de mineração colocando variantes nas áreas das famílias sem pedir autorização. Por ameaças como estas, o processo de organização comunitária se torna cada vez mais importante.

Para o camponês José Souza, as reuniões têm sido importante para formação. "Através de uma reunião como essa  é que a gente vai tendo cada vez mais esclarecimentos", avaliou. 

No próximo dia 26, acontece em Casa Nova uma reunião da União das Associações de Fundo de Pasto. O momento servirá para dar informações às comunidades e tirar algumas dúvidas com a  assessoria jurídica de organizações populares pró campesinato. 







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias

XII Encontrão de Jovens de Campo Alegre de Lourdes