COMUNIDADES TRADICIONAIS DE REMANSO DISCUTEM CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO


Comunidades rurais de Remanso se reuniram com integrantes do STR e da Comissão Pastoral da Terra para discutir estratégias de organização ante conflitos agrários. O encontro aconteceu no dia 12 de agosto, na sede do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais.  Dois dias antes da reunião, integrantes do sindicato e da CPT que atua na Diocese de Juazeiro visitaram diferentes comunidades rurais no município.  Durante as visitas, comunidades e organizações parceiras demonstraram preocupações com a lei 12.910/13, que estabelece prazo para autoidentificação de comunidades tradicionais e sua consequente regularização fundiária.

Enquanto se organizaram para regularizar seus territórios, em Remanso diversas comunidades têm lutado para defender suas terras de invasores e grileiros. Em Pedra da Onça, por exemplo, comunitários enfrentam uma tentativa de grilagem de sua área de fundo de pasto, comandada por empresários da cidade.

Na comunidade do Desterro, a preocupação é com as empresas de instalação de parques eólicos, que visam extensas áreas, assediam as famílias camponesas e não usam de transparência no trato com os agricultores e agricultoras.  

Depois de enfrentar também ameaças ao seu território, inclusive com um processo judicial que se arrasta há quase dez anos, o povo da Salinas Grande recentemente resistiu a uma tentativa de restrição do acesso a uma aguada que serve para a sedentação dos animais que pastam na área de fundo de pasto.

“De repente, o rapaz chegou querendo fazer serviço, tomar posse querendo tomar a água do pessoal da comunidade, que é uma aguada que beneficia a comunidade e em volta; os animais chegam, bebe e voltam, e ele queria tomar de conta só para os animais dele. Aí a comunidade se manifestou, derrubou a cerca, foi para a Justiça e estamos lutando para que ele não tome de conta”, explica o camponês Francisco da Silva.

Como encaminhamento do encontro sobre conflitos agrários em Remanso, o grupo presente decidiu aprofundar a formação. Uma nova reunião sobre o tema deve acontecer no dia 05 de outubro.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Nós vamos ficar com a morte e a doença”: Em Sento Sé (BA), comunidades ribeirinhas temem empreendimento de mineração

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias