UMA FÉ TRANSFORMADORA



Mensagem da 36ª Romaria da Terra e das Águas ao Bom Jesus da Lapa
05 a 07 de Julho de 2013



Saudações cordiais e solidárias dos 8 mil romeiros e romeiras, da 36ª Romaria da terra e das águas!

Na beira do rio São Francisco, santuário da natureza, nos sentimos unidos e motivados pelo que acabamos de vivenciar nas ruas e  praças do Brasil. Queremos  propagar a que um país  melhor, que  na cidade e no campo, todos queremos só será possível  se sua terra, suas águas e sua rica natureza estiverem, a serviço da vida de todos os seus filhos e filhas.

Através desta mensagem queremos denunciar  e  partilhar  aspectos que ecoaram nesta romaria feita prece e indagação, contemplação e compromisso nos vários momentos de sua programação.



Numa só voz todos concordamos que urgentemente deve ser revolucionada uma realidade em que a apropriação particular da Terra que declarou encerrada a Reforma Agrária, a  Água, o Vento e o Sol  não podem mais ser vistos como objeto de lucro selvagem e absoluto de grupos privados.

Uma multidão voluntariamente deixada na sombra ainda nos exige para sermos solidários ao seu lado: Os povos indígenas da Bahia e do Brasil, Os Quilombolas, o morador de Fundo e Feixo de pasto, os pequenos agricultores e criadores estão sendo extinguidos pela atual modelo do estado e pela prática do Judiciário. Com as honrosas e raras exceções.

Outra grande categoria de povos tradicionais, os pescadores artesanais do Brasil, nos faz um apelo. Já que estão sendo  expulsos, para dar lugar aos projetos do capital estrangeiro e nacional  (latifúndio das águas depois do latifúndio da terra, do vento e do sol) eles nos convocam para fazer valer seus direitos na Constituição sobre seus territórios pesqueiros.

Com os jovens que se projetam como protagonistas em todo o pais, pastorais da juventude reunidas conosco apesar de reconhecerem avanços como a difusão das cotas e da ampliação de vagas no Ensino superior, ainda se encontram sujeitos a várias mazelas:
a migração forçada e o trabalho escravo que só neste anos já vitimou até o momento mais de 100 trabalhadores, sendo resgatados 4; a precariedade persistente do ensino fundamental e médio que diminui as condições para o ingresso nos cursos superiores; a difusão do consumo de de drogas alucinógenas por jovens e adolescentes.
           
Interligados com as multidões e periferias do Brasil, a Romaria nos encorajou a continuar a construir esperanças. Para os nossas crianças, que vimos alegremente reunidas pela primeira vez em plenarinho e para nossos jovens. , derrubando novas e antigas amarras, queremos  nos solidarizar na prática da justiça.

Ecoou como um sinal de esperança em nossa Romaria, a noticia que nos trouxeram os companheiros e companheiras de Cocos, Oeste da BA. Mais de 2000 pessoas, em véspera desta romaria, mobilizadas em audiência pública, impediram a construção, já decretada, de uma barragem fatal à vida do rio Carinhanha e do seu povo.


Não paira dúvidas de que o que acontece na nossa Romaria há 36 anos e o que esta acontecendo, de maneira diferenciada, nos diversos recantos do país,  é um processo de construção de outra civilização. Aqui ensaiamos a verdadeira espiritualidade que o Bom Jesus da Lapa e do Evangelho nos convoca a seguir. É a fé que se transforma em  compaixão solidária com todos caídos à beira do caminho,  convivência amorosa com todos os seres e anima nossa  indignação profética frente a todos os ídolos da mentira e da morte. Com esta fé, sintam-se todos abraçados.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Nós vamos ficar com a morte e a doença”: Em Sento Sé (BA), comunidades ribeirinhas temem empreendimento de mineração

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias