ENCONTRO REÚNE JOVENS DE COMUNIDADES TRADICIONAIS DE CASA NOVA



Cerca de trinta jovens das comunidades de Riacho Grande, Melancia, Salina da Brinca e Jurema, que formam a área de fundo de pasto chamada Areia Grande, em Casa Nova,  participaram de um encontro de formação realizado em Juazeiro, no distrito de Carnaíba do Sertão,  entre os dias 11, 12 e 13 de abril.  A localidade é vítima de tentativas de grilagem de terras há mais de 30 anos.

Com a temática do papel da juventude do campo nos dias de hoje, resgate da cultura popular e a busca da identidade da juventude rural, foram realizadas diversas atividades, entre elas a produção de veículos de comunicação, a exemplo de programas de rádio e blogs idealizados e produzidos pelos próprios  jovens.


“É preciso, além de discutir, repassar o que aprendemos aqui com quem não pode vir ou ainda não conhece nossa organização, e das próximas vezes termos ainda mais pessoas para sugerir e promover a mudança”, revela a estudante Laiane Braga, 15, de Riacho Grande.

Já Jeová Almeida,  da Jurema, falou das condições de vida da comunidade “Só temos uma escola que contempla apenas a primeira fase do ensino fundamental, não há nenhuma unidade básica de saúde, as crianças e adolescentes não têm nenhuma opção de lazer, cultura, além de não ter sinal de telefonia ou internet.”


Para Marina Rocha, da Comisão Pastoral da Terra, a “ intenção do encontro é ouvir os anseios dos adolescentes, fazê-los interagir com as outras localidades, ver como os problemas são os mesmos e a partir da discussão e formação viabilizar meios de mudança feitos por eles e para eles mesmos. Além disso, pretendemos reunir os jovens periodicamente, para um acompanhamento da articulação entre as comunidades e compartilharas experiências e os avanços conquistados.”

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Nós vamos ficar com a morte e a doença”: Em Sento Sé (BA), comunidades ribeirinhas temem empreendimento de mineração

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias