JUÍZES ACUSADOS DE FAVORECER LATIFUNDIÁRIOS PODEM SER AFASTADOS

Audiência na Assembleia Legislativa de Minas - Foto: Portal Minas Livre


A luta pela terra teve mais um importante avanço depois de cinco horas de debate em audiência pública sobre a violência no campo. Em reunião na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, na quarta-feira (6), foi aprovado o requerimento que pede ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) o afastamento do juiz titular da vara, Otávio Almeida Neves e da juíza Rosilene Maria, da 12ª Vara Federal. Representantes de movimentos de luta pela terra apresentaram fatos para mostrar a parcialidade desses magistrados em favor dos proprietários de terra.

O representante do acampamento de Rio Pardo de Minas, Isaías de Oliveira, relatou que as famílias foram despejadas do local de forma irregular. “Fomos despejados na véspera do Natal e não tivemos como pegar nossas barracas e nem nossos pertences. Nossas criações ficaram todas no local. Apesar da terra ser devoluta, o juiz da Vara de Conflitos Agrários, Otávio Almeida, mandou fazer a reintegração de posse”, disse.

O deputado federal Padre João estava na audiência e caracterizou como “atrocidades” as ações dos juízes que, sem justificativa, devolvem as terras aos latifundiários. “Isso é um desrespeito a todos os outros poderes. Eles não estão considerando as discussões anteriores, não fazem uma análise profunda das condições da terra, não analisam situações como crimes ambientais e trabalho escravo”, destacou.

Silvio Netto, líder estadual do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), acredita que a audiência foi positiva, pois por meio dos fatos apresentados, foi possível apresentar tecnicamente as denúncias contra o Poder Judiciário. “Esses juízes não exigem audiências de conciliação, nem laudos de improdutividade das fazendas e não levam em consideração a função social da terra. O Ministério Público e o ouvidor agrário nacional comprovaram isso”, afirma.




Ministério Público

De acordo com o promotor do Centro de Apoio Operacional de Conflitos Agrários do Ministério Público, Afonso Henrique de Miranda Teixeira, a Vara de Conflitos Agrários está atuando contra os movimentos de luta pela terra. Para ele, o juiz Otávio Almeida Neves não aplica o princípio norteador do direito agrário da função social da terra, descumpre normas processuais legais e revoga dispositivos que criaram a própria vara.

O promotor Renato Augusto de Mendonça apontou evidências de que o magistrado teria afrontado os deveres de imparcialidade. Ele deu exemplos de casos que comprovariam a denúncia, tais como emissão de liminares sem que elas sequer tenham sido pedidas, além de reintegrações de posse consideradas arbitrárias até por magistrados federais.



Comissão vai analisar despejos

O superintendente regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Carlos Calazans, anunciou que foi criada uma comissão, com presença dos movimentos sociais, de representantes do Estado e da própria autarquia, para tratar de ações de reintegração de terra em Minas. Esse grupo foi definido em reunião realizada com o alto comando da Polícia Militar e o secretário de Estado de Defesa Social, Rômulo Ferraz. Ainda segundo Calazans, o secretário de Estado extraordinário de Regularização Fundiária, Wander Borges, será o coordenador da comissão, que fará sua primeira reunião após o carnaval.

Silvio Netto afirma que o MST está confiante de que os compromissos assumidos serão concretizados, mas destaca que se isso não acontecer, o movimento estará disposto a lutar ainda mais. “Se os governos não cumprirem o que prometeram o MST vai lutar, seja fechando a Fernão Dias, o trem da Vale ou intensificando as ocupações de latifúndios em Minas. Além disso, milhares de trabalhadores rurais estão dispostos a voltar a BH. Vamos ocupar praças, o Incra e, se preciso, marchar para a Cidade Administrativa e testar a fortaleza do governador”, frisa. (Com informações da Assessoria de Imprensa de Durval Ângelo)

Fonte Brasil de Fato 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias

XII Encontrão de Jovens de Campo Alegre de Lourdes