LATIFUNDIÁRIOS ESTÃO ENTRE OS GRUPOS QUE MAIS ASSASSINAM JORNALISTAS, DIZ ONG INTERNACIONAL




Latifundiários de países como o Brasil compõem um dos segmentos socais que mais assassinam jornalistas. É o que afirma a Repórteres Sem Fronteiras. Em um relatório de abrangência internacional com foco em 2012, o grupo releva que no ano passado 90 jornalistas e 48 blogueiros foram assassinados. Quase 300 profissionais foram presos, e outras centenas foram exilados, ameaçados ou censurados, aponta o estudo.

Além de territórios que sofrem com guerras civis e outros conflitos armados, como a Somália e  o Paquistão, o Repórteres Sem Fronteiras destaca o Brasil como outro foco de violência contra jornalistas.  

Um dos diretores da organização não governamental, Malén Aznárez,   afirma que 2012 foi um ano “fatídico”. Em entrevista ao jornal espanhol El País, ele afirmou que jornalistas “têm deixado de ser vítimas ocasionais para ser tornarem objetos deliberados de guerrilhas, grupo radicais, narcotraficantes, ou fazendeiros”.

Segundo estudo da RSF, o Brasil  perdeu 44 posições no ranking que mede a liberdade de expressão em 179 países. Na lista do ano  passado o País aparece em 99º lugar. 

De acordo com a organização suíça Campanha por um  Emblema de Imprensa, em 2012 sete jornalista foram assassinados em nosso País.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

“Nós vamos ficar com a morte e a doença”: Em Sento Sé (BA), comunidades ribeirinhas temem empreendimento de mineração

Centenas de famílias estão na rua após despejos violentos em acampamentos do MST

Mineração: uso de explosivos aterroriza comunidade de Angico dos Dias